Projetos de pesquisa

O Brasil vem ocupando atualmente a posição de sexta economia do mundo e tende a atrair cada vez mais estudantes estrangeiros e migrantes. As políticas de educação e de saúde brasileiras passaram na última década a enfatizar cooperações também Sul-Sul e não somente Sul-Norte. Como mundialmente vem aumentando tanto a mobilidade internacional de estudantes como a de profissionais da saúde, é importante melhor compreender as ações institucionais fomentando esta mobilidade. Neste sentido, este estudo pretende estudar as iniciativas para estudantes estrangeiros na Fundação Oswaldo Cruz. A metodologia é qualitativa e será realizada a análise documental. Num primeiro momento, serão analisados os informativos publicados pelo Centro de Relações Internacionais em Saúde (Cris) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), são publicados desde setembro de 2012. Num segundo momento, será mapeado o perfil de estudantes estrangeiros no campus da Fiocruz do Rio de Janeiro em termos de idade, gênero, nacionalidade e também as áreas de conhecimentos que vêm atraindo estes estudantes. O estudo pretende contribuir para o conhecimento na área e propiciar recomendações interessantes para os atuais alunos estrangeiros, para a instituição como um todo e para programas de pós-graduação que trazem estudantes de outros países para o Brasil..

Coordenador:

Isabela Cabral Félix de Sousa

No estágio atual consideramos relevante identificar e melhor compreender como os aspectos emocionais se expressam nas práticas da orientação acadêmica profissional. Este projeto propõe uma revisão de investigações anteriores com alunos e egressos do Provoc. São três estudos a serem revisitados em relação a este público. Estes estudos mencionados, a semelhança do que ocorre em outras pesquisas em educação, deram ênfase aos aspectos cognitivos. No entanto, sabemos que a emoção faz parte das trajetórias de alunos e egressos. Assim, argumentamos que é preciso trazer à luz esta dimensão, articulando-a com o tema da formação científica. Considerando que os adolescentes vivenciam momentos de transição e busca de identidades, o caso do Programa de Vocação Científica (Provoc) nos parece particularmente promissor para explorar a emoção no processo formativo. Os três estudos que propomos revisitar utilizaram a metodologia qualitativa/naturalista, inspirada pela Antropologia e pela Sociologia, aplicando a técnica de análise de conteúdo em entrevistas com atores sociais. Nosso universo é constituído de um conjunto de 69 entrevistas individuais, semiestruturadas. Propomos manter a análise de conteúdo desta vez recorrendo ao suporte do software Atlas. TI. Assim, debruçando-se sobre os projetos desenvolvidos em sete anos de pesquisa e atuando no Provoc esta proposta tem como meta do ponto de vista pedagógico, propor inovações para este programa e congêneres. E do ponto de vista científico, pretende-se analisar os relatos sobre os processos formativos tentando identificar emoções e se estas constituem ou não em eixos norteadores para as escolhas acadêmicas e profissionais de seus alunos e egressos.

Coordenador:

Isabela Cabral Félix de Sousa

No estágio atual consideramos relevante identificar e melhor compreender como os aspectos emocionais se expressam nas práticas da orientação acadêmica profissional. Este projeto propõe uma revisão de investigações anteriores com orientadores do Provoc. São três estudos a serem revisitados em relação a este público. Estes estudos mencionados, a semelhança do que ocorre em outras pesquisas em educação, deram ênfase aos aspectos cognitivos. Assim, argumentamos que é preciso trazer à luz esta dimensão, articulando-a com o tema da formação científica. Sabendo que a emoção faz parte das trajetórias dos atores sociais envolvidos, propomos que este projeto investigue a dimensão da emoção dos orientadores integrando ao estudo sobre a emoção de alunos e egressos, também a ser desenvolvido no mesmo Laboratório de Iniciação Científica da Educação Básica (Lic-Provoc). Considerando que os adolescentes vivenciam momentos de transição e busca de identidades, o caso do Programa de Vocação Científica (Provoc) nos parece particularmente promissor para explorar a emoção no processo formativo. Os três estudos que propomos revisitar utilizaram a metodologia qualitativa/naturalista, inspirada pela Antropologia e pela Sociologia, aplicando a técnica de análise de conteúdo em entrevistas com atores sociais. Nosso universo é constituído de um conjunto de 43 entrevistas individuais, semiestruturadas. Propomos manter a análise de conteúdo desta vez recorrendo ao suporte do software Atlas. TI. Assim, debruçando-se sobre os projetos desenvolvidos em sete anos de pesquisa e atuando no Provoc esta proposta tem como meta do ponto de vista pedagógico, propor inovações para este programa e congêneres. E do ponto de vista científico, pretende-se analisar os relatos dos orientadores sobre os processos formativos tentando identificar emoções e se estas constituem ou não em eixos norteadores para as escolhas acadêmicas e profissionais de seus orientandos.

Coordenador:

Isabela Cabral Felix de Sousa

Este projeto nasce como desdobramento do projeto de pesquisa Cinema Para Aprender e Desaprender (2006-2009), e se desenvolve na Faculdade de Educação em parceria com a Cinemateca do MAM, o Colégio de Aplicação/UFRJ e o IPPMG/UFRJ fazendo uma experiência de introdução ao cinema dentro e fora da escola. O projeto está criando um Centro Referencial de Pesquisa e Docência em Cinema e Educação e 4 Escolas de Cinema em escolas públicas do Rio. O objetivo consiste em pesquisar as experiências de aprendizagem como introdução ao cinema com alunos e professores de Educação Básica dentro e fora da escola (hospital pediátrico, cinemateca). Prevemos a produção de materiais didáticos (gráfico e digital) que facilitem o acesso ao professor leigo para fazer uma apropriação da linguagem cinematográfica em sintonia com as atividades curriculares e de extraturno..

Coordenador:

Adriana Mabel Fresquet