Os impasses para vacinação dos povos indígenas que vivem em zonas urbanas

A população indígena é um dos grupos prioritários na imunização contra a Covid-19. Mas apenas os que vivem em aldeias foram priorizados, ou seja, aqueles que vivem em terras indígenas demarcadas ou não-demarcadas e hoje são atendidos pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) do Ministério da Saúde. Os que moram em áreas urbanas e os que vivem na zona rural, mas não estão cadastrados no Subsistema de Atenção a Saúde Indígena (SASI-SUS), não integram esse grupo prioritário e ainda esperaram pela vacina.

Ana Lúcia Pontes, médica sanitarista, pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Ensp/Fiocruz) e coordenadora do Grupo de Trabalho de Saúde Indígena da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), explica que existe um impasse e essa medida está sendo discutida no judiciário, mas que também as decisões acontecem de formal local, como no Rio de Janeiro e Niterói, que já iniciaram a vacinação desse grupo.

Nesse podcast, Ana também destaca orientações importantes para os profissionais de saúde que farão a vacinação dos indígenas que vivem em áreas urbanas.

Por: Ana Paula Evangelista

Categoria(s):

Policast