Depoimentos

Pesquisadores, trabalhadores, representantes de entidades científicas e movimentos sociais falam sobre a importância da EPSJV/Fiocruz nos seus 35 anos.

Andressa Pellanda

Coordenadora geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação

A Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, nestes 35 anos, foi responsável por contribuição imensa para a pesquisa, a profissionalização, a saúde e a educação do Brasil. Isso acontece não só por sua excelência e relevância em termos de formação de profissionais, como também pela promoção de pesquisas e debate de alto nível de qualificação tanto em termos científicos quanto em termos de democratização do conhecimento, através de seus projetos e de sua revista. A EPSJV/Fiocruz sempre foi considerada pela Campanha Nacional pelo Direito à Educação como instituição de promoção de debates muito qualificados em termos de políticas educacionais, com a qual sempre priorizamos a colaboração, por seu rigor, ética e compromisso com o direito à educação. Desejamos os parabéns por todo o trabalho realizado pelas pessoas que compõem e compuseram o corpo desta instituição. Podem se orgulhar de colaborarem para o desenvolvimento social do país!”

Arlindo Fábio Gómez de Sousa

Sociólogo, Sanitarista e um dos fundadores da EPSJV

A criação do Poli em 1985, mesmo ano em que assumimos a presidência da Fiocruz, expressa bem a relevância que dávamos à formação de quadros técnicos para a saúde. Luiz Fernando, pesquisador de boa cepa, assumiu de corpo e alma a empreitada. Defendia ardorosamente que se valorizasse a contribuição do conjunto dos profissionais que participavam das atividades de pesquisa e que todos tivessem oportunidade de formação e crescimento em suas respectivas áreas. Arouca trazia a ideia da politecnia de sua experiência de consultor da Organização Pan-Americana da Saúde na Nicarágua. Propúnhamos para o Poli um ensino aberto para o mundo, que desse conta de várias dimensões, aliando a formação técnica à ética e à política. Nada de adestramento. A escola como espaço para o debate permanente, aberto a diferentes visões de mundo, pluralista, portanto sem discriminações, numa nova relação professor-aluno. Livre-pensar. Se intuíamos sobre a pedagogia a ser adotada no recém-criado Poli, sabíamos muito pouco sobre suas diretrizes, bases e consequências. Saímos em busca de luz. Gaudêncio Frigotto ligou os fios que não conhecíamos e nos apresentou uma proposta pedagógica. Foi um choque teórico que revirou concepções de nossos primeiros docentes, reformulando o lugar do mestre e do aprendiz. E que é pela via da transferência, da admiração, que se dá a transmissão do conhecimento, apregoava o Colégio Freudiano do Rio de Janeiro que também nos assessorava.”

Daniel Cara

Professor da Universidade de São Paulo (USP) e dirigente da Campanha Nacional pelo Direito à Educação

A EPSJV/Fiocruz é uma das principais instituições do Estado brasileiro. Fomenta a Ciência, a formação profissional e é essencial para alimentar o debate público. Referência de comunicação de qualidade, tem colaborado com a tomada de decisão do país, ao ser um dos poucos espaços abertos aos movimentos sociais da saúde e da educação. Parabéns pelos 35 anos de excelência e de contribuição ao país."

Fernando Pigatto

Presidente do Conselho Nacional de Saúde

Em nome do Conselho Nacional de Saúde, gostaria de cumprimentar a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, todos os estudantes, trabalhadores e trabalhadoras, enfim, quem fez e fará parte dessa escola da nossa Fiocruz. O CNS assim como a EPSJV fazem parte da história do SUS e, portanto, nesse dia 19 de agosto, gostaria de desejar um forte abraSUS a todos e todas. Longa vida, muita história ainda pela frente teremos com a Fiocruz, com o CNS e a EPSJV."

Gaudêncio Frigotto

Professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e especialista em Educação Profissional

A Escola Politécnica Joaquim Venâncio nasceu num contexto de grande participação política em todas as esferas da sociedade no processo de redemocratização da sociedade brasileira depois de 21 anos de ditadura empresarial militar. O campo da educação, através de suas entidades científicas, sindicatos, movimentos sociais e culturais, promoveu inúmeros encontros e debates. Destaco, especialmente, as cinco Conferências Brasileiras de Educação que vincaram as bases da disputa da concepção e da política educacional no processo da Constituinte. Mas os fundamentos filosóficos e epistemológicos que orientaram a proposta da Escola têm sua vinculação direta com o estudo sistemático das obras de Karl Marx e Antônio Gramsci em 1977 no Curso de Doutorado em Filosofia da Educação, sob a coordenação de Dermeval Saviani na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Não por acaso Saviani foi convidado para participar no Seminário Choque Teórico, realizado de 2 a 4 de Dezembro de 1987 na Fundação Oswaldo Cruz, cujo objetivo foi o de delinear os fundamentos filosóficos e epistemológicos que orientariam a proposta da escola. A palestra de Saviani foi sobre a concepção de politecnia. Desta palestra Saviani publicou do texto ‘O Choque teórico da politecnia’ (1989). O mérito da iniciativa da Escola advém do que Marx e Engels entendiam pela relação entre ideias, concepções e a ação prática. No livro ‘A sagrada família’, eles destacam que as ideais em si mesmas de nada valem se não houver quem as põem em prática. Em 35 anos de existência milhares de jovens se formaram com o melhor nível de educação de qualidade. Nela se apropriem das bases científicas para entender as relações sociais e como funciona a natureza. Portanto, diferente da tese sustentada por neoliberais e, atualmente, com praticas neofascista, de que a escola ensina, mas não deve educar. A Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio ao completar 35 anos de existência constitui-se em parâmetro da educação a ser disputada para todos os jovens brasileiros.”

Grêmio Politécnico

A EPSJV é essencialmente o modelo a se seguir de pluralidade e democratização do acesso à educação pública de qualidade, tal como seu esforço pedagógico em levar o vislumbre dos diversos campos de estudo e pesquisa à luz da ciência e diversidade de perspectivas. Isso é ser politécnico."

Jorge Nadais

Agente de saúde e membro da Comissão de Agentes Comunitários de Saúde de Manguinhos (Comacs-Manguinhos)

É com muita alegria que eu participo dessa homenagem aos 35 anos da Escola Politécnica, uma escola que busca como missão a formação de profissionais críticos para atuarem na construção de um SUS, universal e gratuito. No momento em que a educação sofre diversos ataques, ter uma escola pública voltada para a qualificação profissional é de suma importância. E a escola politécnica tem cumprido o seu papel com muita valentia nesse nosso tempo. Como agente comunitário de saúde, gostaria de agradecer por há mais de 12 anos ter aberto a possibilidade de formação a uma classe de fundamental importância para a garantia dos princípios fundamentais do SUS. O curso técnico oferece uma qualificação ao profissional, que muitas das vezes é morador de comunidade carente, de poder atuar no seu território tendo uma formação crítica, ajudando na construção de um SUS público, universal e gratuito, possibilitando a qualificação do acesso da população ao sistema de saúde. Gostaria muito de agradecer e parabenizar a direção da escola e a direção de todos os departamentos que têm atuado em busca de uma construção de um elo entre o saber científico na formação profissional e os movimentos sociais do território.”

Leonardo Maggi

Membro da coordenação nacional do Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB)

Olá, pessoal! Venho aqui em nome do Movimento dos Atingidos por Barragens saudar o 35º aniversário da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz). Essa escola que é um órgão importantíssimo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Essa, por sua vez, que busca de forma plena realizar pesquisa, formação de novos pesquisadores, desenvolvimento da ciência brasileira (especialmente no ramo sanitário, da saúde), e que completa seu ciclo formando trabalhadores para atuarem de forma concreta, decisiva, junto ao povo, para a melhoria do povo brasileiro.
A Escola Politécnica cumpre um papel fundamental de formação de trabalhadores no Brasil! Da parte do Movimento, saudar a Escola, saudar a Fiocruz e saudar o SUS. Estamos vigilantes e em luta em defesa dessas três riquezas do povo brasileiro. Saúde, água e energia não são mercadorias!”

Luzia Mota

Reitora do Instituto Federal da Bahia

A Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio completa 35 anos mantendo-se como um espaço escolar que abriga o sentimento de inconformidade em uma sociedade excludente. Abriga, também, um projeto de emancipação humana que tem na Educação e na Saúde públicas e de qualidade princípios fundamentais.
A EPSJV sempre foi pioneira na sua concepção e na suas ações, foi a primeira instituição que integrou estudantes da Educação Básica à atividade de pesquisa. O programa PROVOC iniciou uma política pública que permitiu centenas de jovens do Ensino Médio vivenciarem o fazer científico como bolsistas de iniciação científica 'junior'. Um legado fundamental para a comunidade científica do Brasil, em especial a dos Institutos Federais.Vida longa à Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio! Parabéns aos que constroem a EPSJV diariamente! Viva a educação pública de qualidade!”

Paulo Carrano

Doutor em Educação, Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF) e Coordenador do Grupo de Pesquisa Observatório Jovem do Rio de Janeiro.

O aniversário de 35 anos da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio deve ser comemorado por todos nós que acreditamos na importância de uma instituição educacional pública de excelência para a realização dos grandes desafios de democratização de direitos e enfrentamento das desigualdades no Brasil. Sou ex-morador da região de Bonsucesso, atuei como servidor da UFRJ na região da Maré nos anos 80 e posso dizer da relevância o trabalho da Joaquim Venâncio para ampliação das expectativas de direitos de formação escolar de qualidade e garantia do direito ao ensino técnico-profissional realizado numa perspectiva de desenvolvimento integral e de ampliação dos horizontes juvenis. A pluralidade de ideias é marca da instituição. Estive em várias oportunidades na escola EPSJV para o diálogo sobre pesquisas e políticas públicas orientadas para a realização de direitos das juventudes, em especial, dos jovens de classes populares. A revista Poli da escola tem sido referência para a popularização científica de conhecimentos na área da Educação, Saúde e Trabalho, que são cruciais para a realização de direitos fundamentais no Brasil. Tenho orgulho de ter sido convidado para contribuir com a revista em algumas oportunidades e também fazer parte desta trajetória de qualidade e compromisso com a democratização do conhecimento. Parabéns aos profissionais, estudantes e ex-alunos. Vida longa à Escola Politécnica!”

Rafael Almada

Reitor do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ)

Olá, pessoal! Eu queria dizer para vocês da felicidade de poder gravar esse vídeo neste momento tão importante para a Escola Politécnica, que é chegar na idade que chegou com toda essa experiência importante em educação profissional em saúde. O Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) fica muito feliz de poder participar deste momento. Eu queria mandar um grande abraço para todos os professores e servidores que atuam nesta instituição, e dizer para vocês o quanto é importante esse momento para vocês e o quanto é importante esse momento para o país e para o estado do Rio de Janeiro, por ter uma instituição tão importante aqui no nosso estado. Eu queria desejar muitos anos de vida à Escola Politécnica, e que a gente possa cada vez mais estar próximos e trabalhando juntos em ações de pesquisa, ensino e extensão na área de saúde e educação profissional, o Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) e a Escola Politécnica. Parabéns, sucesso e vida longa para essa instituição e para toda a Fiocruz, que está mostrando nesse momento tão difícil que nós estamos vivendo o quanto é importante a pesquisa e o conhecimento científico.
Parabéns à todos vocês e um grande abraço aqui da nossa instituição para a instituição de vocês!”

Ricardo Antunes

Professor Titular de Sociologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

A Escola Politécnica da Fiocruz, proposta pedagógica em saúde, comemora 35 anos de existência. Sua maior contribuição está em articular, de modo rico e pioneiro, educação politécnica, saúde e mundo do trabalho. Pude participar, ao longo destes 35 anos, de muitas atividades da Escola e, desse modo, atestar a sua importância cientifica, pedagógica, crítica e humanística, traços distintivos de sua historia.”

Roberto Leher

Professor, pesquisador e ex-reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Constituída em um período luminoso e criativo, no contexto de lutas pela constituinte e pela reforma sanitária, a EPSJV conseguiu materializar um projeto necessário para a educação da classe trabalhadora, por meio da original concepção de educação politécnica. Ao longo de sua trajetória, mesmo em momentos adversos, perseverou seu projeto ético-político, ampliando diálogo com os movimentos sociais, estruturando uma inspiradora pós-graduação e uma fecunda política editorial. Por isso, o simbolismo da data é tão relevante. Na EPSJV temos uma referência de que é possível forjar as bases da escola unitária do trabalho e os fundamentos da educação integral capaz de articular educação, ciência, saúde, trabalho, arte e cultura. Vida longa à EPSJV!"

Sheila Cristina de Souza Cruz

Gerente da ETSUS-Vitória e representante da Rede de Escolas Técnicas do SUS (RET-SUS) da Região Sudeste

A Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, em seu protagonismo nacional, sempre inspirou seus parceiros institucionais da RET-SUS a incorporarem as premissas de educação democrática e do processo contínuo de fortalecimento da formação técnica, bem como a concepção de trabalho como princípio educativo, as práticas cotidianas e a pesquisa. Nesta direção, as escolas buscam apoiar os trabalhadores e usuários do SUS, a fim de superar os desafios, e apoiar a rede de saúde para o enfrentamento da emergência de saúde pública. E, esta superação se dará por meio da ligação e conexão entre as escolas parceiras que é o nosso orgulho de ser RET-SUS. Parabéns a toda equipe da EPSJV por toda trajetória de compromisso e dedicação ao ensino e na saúde! E continue sendo nossa inspiração para novos caminhos no SUS.”