Reforma do Ensino Médio: votação na Câmara reforça caráter privatista da MP

Modificações feitas na Câmara tornam ainda mais claras as possibilidades de parceria com instituições de ensino privadas para educação a distância. Deputados delegaram sociologia, filosofia, artes e educação física para BNCC
Raquel Júnia - EPSJV/Fiocruz | 15/12/2016 12h22 - Atualizado em 16/12/2016 11h11
Manifestação de professores durante audiência pública sobre a MP 746 no Congresso Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Pelo novo texto da MP 746, “os sistemas de ensino poderão reconhecer competências e firmar convênios com instituições de educação a distância com notório reconhecimento” para o cumprimento das exigências curriculares do ensino médio. A redação, aprovada na última quarta-feira pelos deputados, difere da original ao deixar claro já no caput do parágrafo a possibilidade dos convênios, antes tratada de forma mais genérica. Os deputados já haviam aprovado o texto-base da reforma no dia 7 de dezembro e rejeitaram, no dia 13, quase a totalidade das emendas apresentadas, entre elas, as que garantiam, por exemplo, o retorno da obrigatoriedade das disciplinas de filosofia e sociologia nos três anos do ensino médio. Em contrapartida, foi aprovada uma emenda que garante a presença dessas disciplinas e também de artes e educação física entre os conteúdos da Base Nacional Curricular Comum (BNCC), ainda em elaboração. Um destaque que impedia o repasse de recursos no âmbito da política de fomento às escolas de tempo integral para organizações sociais assumirem a gestão das escolas também foi rejeitado. Os deputados descartaram ainda a modificação ou supressão de trechos da MP como o que garante a admissão de profissionais com notório saber para ministrarem disciplinas.

Para o secretário de assuntos educacionais da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo, o texto aprovado na Câmara continua trazendo consequências muito sérias para a educação básica e mostra ainda mais as contradições do projeto. “A proposta é fazer escolas de tempo integral, mas quando coloca propostas de complementar o conteúdo a distância, perde-se a característica de uma formação integral. Isso seguramente foi influência dos estados, colocando que não têm escolas com condições adequadas para que o aluno fique o dia todo. E também, com certeza, foi fruto da pressão do setor privado, que passará a receber recursos públicos também para aplicar esses conteúdos”, observa.

Para o professor, a discussão do projeto na Câmara e a votação final, sobretudo no debate acerca da reinclusão das disciplinas de filosofia e sociologia, mostrou, mais uma vez, o conservadorismo do parlamento. “Essa é uma característica dessa legislatura. São pessoas ligadas a setores que têm uma visão muito restrita do Estado e da perspectiva de formação integral das pessoas e trabalham de forma corporativa. Eles têm clareza de que essas são disciplinas importantes para a formação humana e sabem que elas podem contribuir para o processo de conscientização e atuação política e querem desmontar tudo isso para continuar o domínio”, destaca, apontando também a existência de outros projetos dessa legislatura que caminham no mesmo sentido, como o que institui o programa Escola sem Partido.

Durante a discussão da redação final da reforma, parlamentares contra a inclusão de sociologia e filosofia acusaram os deputados favoráveis de quererem a doutrinação de esquerda dos estudantes. “Estão propondo a obrigatoriedade de sociologia e filosofia no ensino médio em função de doutrinação. Por que não estão preocupados com física, com química ou biologia?”, disse Rogério Marinho (PSDB-RN), autor do projeto que institui o Escola sem Partido na Câmara federal. O deputado Chico Alencar (Psol-RJ) rebateu com ironia: “Eu fico espantado de ouvir dizerem aqui que filosofia e sociologia é doutrinação. Quem sabe Emile Durkheim ou Max Weber, que estão no panteão dos sociólogos, são de esquerda agora? Hegel, na filosofia, Platão, Aristóteles, também? Essas declarações comprovam a urgência premente no ensino médio de (ensinar) filosofia e sociologia para a gente não ser tacanho, tecnocrata, redutor. Aliás, o sociológico Fernando Henrique, que é um homem muito estudado, há de concordar”.

Carga horária

Pelo texto aprovado, a carga horária anual do ensino médio deve passar das atuais 800 para mil horas nos próximos cinco anos e deverá ser ampliada progressivamente para 1.400 horas. Da mesma forma como previa o projeto enviado pelo Executivo, a formação passa a ser dividida em duas partes: os conteúdos previstos na BNCC e os chamados itinerários formativos que devem ser escolhidos pelos estudantes – linguagens e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e sociais aplicadas. A diferença agora é que a BNCC ocupará uma fatia um pouco maior – até 1800 horas contra 1200 anteriormente. A nova redação também inclui a integração entre o itinerário e a Base a critério dos sistemas de ensino, sem, no entanto, explicitar como se daria esse processo.

Heleno Araújo destaca que a modificação no tempo destinado à Base é pouco efetiva. “As escolas não conseguirão ter condições adequadas para oferecer os itinerários, muito menos a formação profissional, então, provavelmente, vão fazer uma composição repetindo conteúdos para oferecer o tempo integral. Foi o que aconteceu em Pernambuco, e o ministro da educação é de lá: os alunos tinham todas as disciplinas pela manhã e à tarde um reforço de química, matemática e português para melhorar a nota do Ideb [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica]. Então, na verdade, a intenção é melhorar o Ideb, não garantir uma formação integral”, critica.  Para o professor, também é inócua a parte do texto aprovado na Câmara que aumenta o período de repasse de recursos do governo federal para os estados de cinco para dez anos a fim de fomentar as escolas de tempo integral, sobretudo no contexto de aprovação da PEC do teto de gastos. “Esse repasse está condicionado ao orçamento da União e a cada ano isso será decidido pelo Ministro da Educação. Com a PEC 55, o orçamento do Ministério da Educação vai ser reduzido e a tendência é esse repasse ir escasseando. Corre-se o risco até mesmo de o governo falar que não haverá condições de repassar esses valores”, pondera.

Política excludente

Segundo o diretor da CNTE, a entidade continuará mobilizada contra a reforma no Senado e vai também orientar as escolas para que a comunidade escolar se recuse a aderir à política de tempo integral.  “É um crime contra a população o governo ficar propagandeando um novo ensino médio, porque a reforma vai atingir a princípio muito poucas escolas. O discurso é que com o passar do tempo vai chegar em todas, mas essas políticas nunca chegam. A escola do Anísio Teixeira nunca chegou, as escolas polivalentes nunca chegaram, a do Brizola também nunca chegou para todo mundo”, afirma Heleno. Ele lembra que a portaria que regulamenta a política de fomento às escolas de tempo integral estabelece um número máximo de unidades por estado que podem aderir ao programa e essa quantidade varia entre oito e 30 escolas, no total de apenas 572 em todo o país. Heleno explica que, na prática, as escolas não contempladas com a política de ampliação do tempo de aula, vão ter muitas dificuldades para realizarem as mudanças previstas na MP. “Não tem como a escola que não ampliar o tempo estabelecer, por exemplo, os itinerários formativos, que precisam da jornada ampliada. Até porque essas unidades vão continuar com três turnos, com alunos do ensino médio na manhã, tarde e noite e não haverá como colocar, por exemplo, o itinerário no contra turno. Então, é uma política limitada, que retira direitos porque, inclusive, essas escolas que aderirem à política de tempo integral vão ter que reduzir o número de alunos atendidos”, reforça, lembrando que ainda há cerca de 600 escolas ocupadas pelos estudantes contra a PEC do teto dos gastos e também contra a reforma do ensino médio.

A MP 746 agora segue para o Senado e precisa ser aprovada até o dia 2 de março, caso contrário perde a validade. “Vamos manter a resistência. O PNE [Plano Nacional de Educação] diz que o prazo para que todos os sistemas de ensino criassem leis sobre gestão democrática era junho deste ano e isso não foi cumprido. É um objetivo nosso porque, com essa lei, você tem um conselho escolar deliberativo e uma condição melhor de as escolas tomarem o rumo em suas mãos de acordo com cada realidade. É isso que tem que acontecer”, defende.

 

Leia mais

Proposta de reforma do ensino médio revolta professores, estudiosos da educação e estudantes. Temor é de que mudança, ao contrário do que promete o governo, resulte numa formação rebaixada para a maior parte dos jovens com o engessamento do currículo e da escola
A juventude brasileira voltou ao primeiro plano de cena política em outubro. Reagindo contra a reforma do ensino médio apresentada pelo governo federal à sociedade como fato consumado através da Medida Provisória 746 e, também contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241 que congela os gastos com políticas públicas por 20 anos, os estudantes secundaristas ocuparam suas escolas. Disparadas no início do mês, as ocupações se espalharam rapidamente por todo o país, que já tem mais de mil unidades ocupadas. Ao contrário da primeira leva de ocupações, desta vez os Institutos Federais também aderiram ao movimento. E foi exatamente pelas ocupações dos IFs – vinculados à Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (Setec/MEC) – que a reação do governo começou. Nesta entrevista, professor da Universidade Federal do ABC, Salomão Ximenes, analisa ponto a ponto as movimentações que tentam, de Brasília, dar um ultimato às ocupações. O especialista em Direito de Estado e membro da Rede Escola Pública e Universidade também esclarece por que o direito à educação, argumento usado pelo governo contra as ocupações, não exclui o direito ao protesto.
Ao editar a MP 746, que reformula o ensino médio, o governo Temer se aproveita de um descontentamento legítimo da juventude para construir um sistema baseado na negação do direito desses mesmos jovens a uma educação de qualidade. A análise é do coordenador do Observatório Jovem do Rio de Janeiro/UFF, Paulo Carrano. Nesta entrevista, o professor destaca que os principais interessados em uma reforma não foram ouvidos exatamente porque o governo Temer não tem legitimidade para propor um diálogo e alerta para os enormes retrocessos que a Medida representa. Carrano é também Primeiro Secretário da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação (Anped), que rapidamente se posicionou contra a MP 746.
No último dia 22 de setembro, o governo publicou a Medida Provisória 746, que modifica o Ensino Médio no país. Desde o primeiro momento, a medida gerou críticas contundentes de organizações e pesquisadores da educação. Nesta entrevista, a professora-pesquisadora da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), analisa a medida ponto a ponto e explica porque a reforma apresentada pelo governo nem de longe resolve a situação do ensino médio brasileiro, pelo contrário, reforça as desigualdades e relega a maior parte dos jovens uma formação mínima e precarizada.

Comentar