Como arrumar comida para alimentar tanta gente, que agora se vê incapaz de gerar qualquer renda e como impedir que o coronavírus se alastre nas favelas?

Conheças iniciativas que estão trabalhando para amenizar os impactos da Covid-19 nas favelas! Ajude! 

1. Há um grupo voluntário e apartidário de WhatsApp chamado Reação e União, que se divide em sete subgrupos. Reúne algumas das principais cabeças do estado em busca de soluções urgentes para enfrentar o problema do coronavírus. Uma das frentes de atuação são as comunidades. Os participantes têm se movimentado para agir, com a premência e a abnegação que o assunto exige. Uma das ações: o Instituto Ekloos, de Andrea Gomides, e o Instituto Phi, de Luiza Serpa, se uniram ao Banco da Providência para arrecadar recursos para a compra de material de higiene e limpeza, e cestas básicas. A distribuição será feita pelo Banco da Providência, que estruturou dois centros de distribuição, e por lideranças comunitárias que atuam na rede da Ekloos. Quem quiser colaborar pode acessar o site

2. O Reação e União tem feito uma convocação aos artistas para que gravem vídeos e compartilhem em suas redes, direcionados às favelas. A ideia é informar e conscientizar sobre o problema. Quem quiser participar pode enviar o filme pelo número (21) 98107-2342. Deve-se usar a hashtag #todentro.

3. O centro comunitário Casa Amarela Providência, criado pelo artista plástico francês JR, tem recebido doações financeiras para compra de cestas básicas e produtos de higiene para os moradores do Morro da Providência. Pessoas de confiança da favela vão recepcionar o material e distribuí-lo para os moradores. As doações podem ser feitas para Casa Amarela, Banco Bradesco, agência 0448, conta corrente 12520-2, CNPJ: 25.144.594/0001-35.

4. No Instagram e no Facebook, o @FAVELASEMCORONA  informa e auxilia na prevenção ao coronavírus, e alerta sobre as fake news. Facebook e Instagram 

5. Rodrigo Medeiros (@rodrigomedeirosbrasil) está com uma iniciativa no Rio e em SP para montagem de uma cesta de frutas, legumes e verduras orgânicos para distribuição em comunidades. É uma cesta com mais ou menos 14 itens que tenha um custo máximo de 45 reais (produtos, montagem, entrega no ponto de distribuição) e que possa ser preparada por qualquer parceiro que queira se juntar à iniciativa. Líderes, projetos e organizações sociais parceiras funcionarão como pontos de recebimento e distribuição das cestas para as famílias. Além de gerar escala e impacto às famílias de baixa renda, a ideia é apoiar os agricultores orgânicos num momento em que restaurantes e feiras estão com funcionamento limitado. A cesta complementa com frutas, legumes e verduras a cesta básica tradicional, que em geral não vem com esses itens. Já integram essa iniciativa diversas pessoas e empreendimentos como o Clube Orgânico, o Orgânicos in Box, a Fazenda da Toca e o Fru.to (Seminário FRUTO). A articulação com líderes, projetos e organizações sociais está sendo feita pela plataforma Causei, que tem parceria com mais de 200 projetos/organizações sociais no Rio. As primeiras 100 cestas já serão entregues na próxima quarta-feira no projeto Abraço Campeão, no Complexo do Alemão.

6. O grupo Reação e União tem feito uma lista com líderes comunitários de várias favelas do Rio. Na segunda-feira, haverá uma reunião com o governador, seu chefe de gabinete e representantes da Secretaria de Assistência Social para ver a logística de distribuição de cestas básicas.

⁣⁣7. A Livre. vai entregar na terça-feira mais de três toneladas de alimentos na Associação de Moradores da Rocinha. A ideia é replicar a ação depois para outras comunidades. Quem quiser ajudar pode entrar em contato com a empresa.

8. A campanha #VamosPararOBrasil visa não só alertar as pessoas para que fiquem em casa, mas também pautar a necessidade de uma renda básica mais segura para a população pobre brasileira. É uma campanha apartidária que em um dia já conta com a adesão de 1.500 influenciadores. A iniciativa é de Nilce Moretto (Coisa de Nerd) e Rolandinho (Pipocando), que depois teve a participação de vários articuladores, como Rudá Ricci, do Science Vlogs Brasil. O influenciador que topar deve usar as hashtags #VamosPararOBrasil e #DentroDeCasa.

9. Outra parte da campanha é para que se assine a petição rendabasica.org.br. A ideia é que o governo aumente o voucher prometido de R$ 200 para R$ 300, e passe a auxiliar por seis meses, e não três, contemplando as 77 milhões de pessoas mais pobres do Brasil - aquelas que têm renda familiar inferior a 3 salários mínimos. É importante usar a hastag #RendaBasicaJa. Mais detalhes no site.  Quem topar deve acessar esse formulário pra receber as orientações.

10. O Atados - Juntando gente boa está coletando as informações de organizações de base comunitária que estão com campanhas de arrecadação para incluir em uma página única. O formulário. A ideia é que as ONGs que atuam nas favelas sejam centros de distribuição de itens de higiene, álcool gel e comida arrecadados. 

11. Diante da demora do poder público em agir, o Coletivo Papo Reto, fundado por Raull Santiago no Complexo do Alemão, está coletando doações para a compra de produtos de higiene e limpeza, e alimentos. Como alguns pontos da favela estão há mais de um mês sem água, uma das prioridades é comprar água mineral e distribuir entre os mais afetados. Veja na imagem abaixo como doar. O UOL traz reportagem sobre a iniciativa

12. O jornal comunitário Voz das Comunidades, criado por Rene Silva também no Complexo do Alemão, tem recebido doações para a compra de produtos de higiene e limpeza. Veja na imagem abaixo como ajudar.

13. Ainda no Complexo do Alemão, outra iniciativa arrecada produtos de limpeza e de higiene. Veja na imagem abaixo como participar.

14. As favelas da Babilônia e Chapéu Mangueira estão recebendo doações de material de limpeza e alimentos. Veja na imagem abaixo como proceder.

15. Quem quiser colaborar financeiramente com famílias da Rocinha pode fazer por meio do coletivo A Rocinha Resiste. O dinheiro será usado para confecção de cartazes e faixas com informações e para compra de água mineral, cestas básicas e kits emergenciais de higiene que serão distribuídos na comunidade. Para maiores informações veja imagem abaixo.

16. O Projeto RUAS lançou a campanha #popruaeumeimporto, com o objetivo de engajar as pessoas que durante os dias de quarentena precisem sair de casa (para ir à farmácia ou supermercado, por exemplo) a ajudar uma pessoa em situação de rua no seu caminho. A intenção é doar itens de higiene, alimento e uma cartilha informativa, com dicas de prevenção ao vírus. Para participar, é só baixar o material de orientação em: bit.ly/popruaeumeimporto e montar o seu kit.

17. A ONG Rio de Paz, de Antonio Carlos Costa, distribuiu três toneladas de alimentos na quadra da Escola de Samba do Unidos Jacarezinho. ‬A ideia é doar mais. Para isso, pedem contribuições para Rio de Paz, Banco Itaú‬, agência 1185‬, conta 44820-4‬, CNPJ 09.551.891/0001-49.

18. Há uma campanha de financiamento coletivo para ajudar os catadores a comprar cestas básicas e materiais de higiene. As cooperativas de reciclagem estão com as atividades interrompidas. E têm em sua equipe muita gente de risco, como pessoas cardíacas, diabéticas e doentes renais, que trabalham em ambiente insalubre e contaminante.Aqui 

19. O site de financiamento coletivo Benfeitoria, de Murilo Farah, pôs no ar um canal especial para sistematizar e facilitar o atendimento de projetos de combate à Covid-19: benfeitoria.com/covid Os projetos do canal receberão consultoria customizada para criar sua campanha, apoio na ativação de rede e, eventualmente, matchfunding (quando um parceiro dobra/triplica a arrecadação). Tudo isso com comissão livre (definida por quem arrecada).

20. O Movimento 342 e a Associação Procure Saber lançaram campanha de financiamento coletivo para apoiar coletivos que atuam em favelas. Num primeiro momento, serão beneficiados Redes da Maré, Papo Reto, Voz da Comunidade e Rocinha Resiste. Clique aqui

21. Pela primeira vez em sua história, a CUFA - Central Única das Favelas pede doações. O motivo é nobre: a campanha #favelacontraovirus, de conscientização dos moradores de comunidades e distribuição de alimentos e álcool em gel. Contribua. Mais informações

22. Institudo Casa Mãe e do Coletivo MASSA, juntamos forças e estamos movendo esforços para mapear mulheres que são mães e se encontram em situação de vulnerabilidade causada ou agravada pela pandemia do COVID19 (#coronavírus).Se você é essa mulher, saiba que estamos juntas! Nossa missão é facilitar as coisas, a ideia é saber onde você está e quais as suas necessidades para encontrar pessoas e iniciativas que estejam comprometidas a levar ajuda para quem mais precisa ou seja: VOCÊ! Para participar é só se inscrever ou inscrever uma mãe que você conhece (e sabe que precisa) aqui nesse link.

23. Campanha Maré diz NÃO ao Coronavírus - A campanha de arrecadação e distribuição, liderada pela Redes da Maré, está sendo possível graças ao apoio e parceria com diversas instituições e pessoas físicas. A meta é distribuir mensalmente 6 mil cestas de alimentos e 6 mil kits de higiene e limpeza, além de 200 quentinhas por dia a pessoas em situação de rua, podendo chegar a 500/dia.

24. Frente de Mobilização Maré

 Campanha Manguinhos Solidário. Coletivos de Manguinhos, que atuaram durante as enchentes, lançam campanha para ajudar famílias contra o coronavírus.  É uma articulação entre os Movimentos sociais e coletivos do território de Manguinhos com a parceria da Fiocruz, mais ativamente a EPSJV  a Cooperação Social  e a Asfoc. PARTICIPE! https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=2683080808455819&id=15088682...

25. Mapa Corona nas Periferias - Um mapa para dar visibilidade às iniciativas de combate contra o coronavírus na favelas e periferias do Brasil.

26. Esquina da solidariedade

27. Solidariedade em Manguinhos - Doe agora

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Notícias

Comerciantes da Maré em tempos de pandemia

Fé e vírus não se misturam

DE QUARTO DE DESPEJO A SOLUÇÕES SANITÁRIAS

NADA SERÁ COMO ANTES

Negros são maioria de infectados e mortos pelo coronavírus nos EUA

 As favelas não querem parabéns, ministro Mandeta

#COVID19NasFavelas: Mãe e filha vendem máscaras e valor é revertido para campanha no Alemão