EPSJV lança novas publicações

Sistematização da experiência do EdPopSUS e material didático para formação de Agentes Comunitários de Saúde já estão disponíveis gratuitamente no Portal EPSJV
Julia Neves - EPSJV/Fiocruz | 17/06/2020 11h29 - Atualizado em 24/06/2020 16h14

A sistematização da experiência do Curso de Aperfeiçoamento em Educação Popular em Saúde (EdPopSUS) e um material didático para formação técnica de Agentes Comunitários de Saúde (ACS) são as duas novas publicações da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), disponíveis gratuitamente no Portal EPSJV para download.

‘Educação em saúde: material didático para formação técnica de agentes comunitários de saúde’ foi organizado prioritariamente para o Curso Técnico de Agentes Comunitários de Saúde (CTACS), oferecido pela EPSJV, mas, segundo os organizadores da publicação, ele pode atender a diferentes formações de profissionais de nível médio em saúde. De acordo com a professora-pesquisadora da Escola Politécnica, Márcia Lopes, uma das organizadoras do livro, inicialmente, o leitor encontrará na publicação uma discussão mais geral sobre educação, que problematiza as relações entre educação e sociedade e os processos de ensino-aprendizagem. “Essa aproximação se dá tendo os princípios da Educação Popular em Saúde como uma das principais referências. Discute-se, então, especificamente, o campo da educação em saúde e posteriormente o desenvolvimento deste campo nas práticas de saúde na Atenção Básica do SUS”, exlica Márcia, que considera o tema de fundamental importância para o fortalecimento de uma Atenção Básica comprometida com a universalidade, a integralidade e a equidade, princípios fundamentais do SUS.

Para a professora-pesquisadora e também organizadora do livro, Ingrid D’avilla, a publicação marca o compromisso da Escola com a publicação de um material didático que dialogue com as experiências e os saberes dos estudantes-trabalhadores. “O contexto de lançamento do material, ainda que absolutamente adverso, em meio à pandemia de Covid-19, é um convite à ação-reflexão. E, como sempre, para nós, educadoras da EPSJV, à ação-reflexão no trabalho, na educação e na vida”, ressalta Ingrid, contextualizando que o livro foi lançado justamente no ano em que o Curso Técnico de Agente Comunitário de Saúde (CTACS) completa 12 anos na Escola Politécnica, que, em agosto deste ano, completa 35 anos de existência.

“A elaboração de um material didático destinado, primordialmente, aos ACS, expressa a necessidade de valorização da sua formação técnica e do reconhecimento da importância do seu trabalho no SUS”, completa a professora-pesquisadora da EPSJV e também organizadora da publicação, Cristina Morel.

Educação Popular em Saúde

‘Saberes da experiência: sistematização do Curso de Aperfeiçoamento em Educação Popular em Saúde’  apresenta os resultados da segunda edição do EdPopSUS, maior estratégia formativa voltada para a implementação da Política Nacional de Educação Popular em Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (Pneps-SUS), instituída em 2013. O curso, ofertado de 2016 a 2018, foi coordenado pela EPSJV/Fiocruz, em parceria com o Departamento de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde (MS), e certificou mais de 11 mil educandos, com 304 turmas, em quinze estados brasileiros.

Segundo a professora-pesquisadora da EPSJV/Fiocruz, Grasiele Nespoli, com base na pedagogia de Paulo Freire, a experiência é entendida como uma dimensão fundamental para a construção de saberes. Nesse sentido, o EdpopSUS organizou o processo formativo a partir das experiências de vida e trabalho dos educandos – ACS, Agentes de Vigilância em Saúde (AVS), lideranças comunitárias e representantes de movimentos sociais -, promovendo um diálogo entre os saberes prévios e os conhecimentos acumulados historicamente. “Já a sistematização diz respeito ao método de análise da experiência, que busca identificar, analisar e compreender as transformações, situações-limites e aprendizagens que dela emergiram”, ressalta Grasiele, que é uma das organizadoras do livro, juntamente com os professores-pesquisadores da Escola Politécnica, Irene Goldschmidt, Luanda de Oliveira Lima, Ronaldo Travassos e Vera Joana Bornstein.

De acordo com Vera Joana, para analisar a experiência nacional do EdpopSUS, considerando sua magnitude e extensão, foi elaborado um projeto de pesquisa para compreender as potencialidades e os limites do processo formativo na transformação das práticas de educação e cuidado no campo da saúde e no fortalecimento da participação social e popular. “O livro, que leva o nome do projeto, apresenta o resultado da investigação em seis capítulos. Em sua apresentação, esclarecemos o processo de sistematização que envolveu diferentes estratégias, técnicas e instrumentos pensados desde o início do curso”, afirma, destacando que a publicação é destinada a pesquisadores, professores, educadores, trabalhadores sociais, lideranças comunitárias e para quem quiser saber um pouco mais sobre a educação popular como um caminho possível para a transformação das práticas sociais.

No primeiro capítulo, o leitor encontra uma análise da trajetória mais geral do curso, de seu desenho curricular, dos princípios e estratégias pedagógicas construídas, da gestão descentralizada e compartilhada e das metas e resultados alcançados. Já o segundo capítulo, faz uma reflexão sobre as práticas pedagógicas que diferem a educação popular da educação bancária, ou seja, enquanto a educação popular compreende que todos sabem e que o conhecimento só acontece porque é uma construção social e compartilhada, a educação bancária pressupõe uma hierarquia, na qual o educador detém o saber e o educando recebe o saber, como se o processo fosse só transmitir conhecimento.

“O terceiro aborda a dimensão da cultura, da importância da arte e da espiritualidade, por exemplo, como importantes elementos para a formação humana. E o quarto faz uma reflexão sobre a importância do território na experiência educativa, visto que a partir dele foram resgatadas as memórias e histórias de luta, bem como as manifestações culturais que organizam a vida comunitária”, adianta Grasiele, que diz ainda que o leitor poderá compreender no quinto capítulo como a educação popular fortalece a democracia, situando o EdpopSUS como uma estratégia de resistência no contexto de retrocessos nas políticas de saúde, especialmente nas que reduzem os processos democráticos. “E, por fim, o último capítulo trata da forma como a educação popular amplia o cuidado, para além de prescrições e medicalizações, mas como um processo comprometido com a construção do mundo e da vida. Tudo escrito a partir da experiência”, acrescenta.

Embora seja organizado pela equipe de coordenação nacional do EdpopSUS, Vera Joana afirma que o livro foi escrito à várias mãos, cabeças e corações: “Buscamos trazer, o máximo possível, fala de coordenadores, educadores e educandos a respeito da experiência. Organizamos os textos, fundamentamos teoricamente a análise, mas o mais importante é o eco presente nas narrativas dos participantes que formam uma sinfonia em torno da potência alegre que a educação popular ativa na vida das pessoas”, explica Vera.

Comentar