EPSJV participa de criação de rede colaborativa de formação em Saúde Pública

No encontro, Escola Politécnica apresentou experiência da Rede Internacional de Educação de Técnicos em Saúde, visando fortalecer ações de cooperação
Julia Neves - EPSJV/Fiocruz | 08/02/2019 11h09 - Atualizado em 18/02/2019 14h36

A experiência da Rede Internacional de Educação de Técnicos em Saúde (RETS) e de sua sub-rede, a Rede de Escolas Técnicas de Saúde da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (RETS-CPLP), das quais a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) é secretaria executiva, foram apresentadas no painel ‘Oportunidades e desafios das redes de instituições formadoras em saúde’, durante a Oficina ‘Fortalecimento da Formação em Saúde Pública no âmbito da CPLP’. O evento, realizado em entre os dias 4 e 6 de fevereiro, em Lisboa, Portugal, marcou a criação da Rede de Escolas Nacionais de Saúde Pública da CPLP (RENSP/CPLP), tendo a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) e a Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade de Nova Lisboa de Portugal (ENSP/Nova) como instituições responsáveis pela coordenação técnica da Rede e pela condução do Plano de Trabalho 2019-2021. O encontro contou com a presença do secretariado-executivo da CPLP e representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique e Portugal, que apresentaram suas instituições formadoras em Saúde Pública. A ENSP/Fiocruz ficou responsável pela apresentação do Brasil.

A criação da RENSP/CPLP já estava prevista no Plano Estratégico de Cooperação em Saúde da CPLP (PECS-CPLP) 2018-2021. De acordo com o Termo de Referência da Oficina, o PECS- CPLP representa “um compromisso coletivo de cooperação horizontal e estruturante entre os Estados-Membros da CPLP no setor da saúde, considerando os desafios que se colocam aos Estados-Membros, no desenvolvimento de ações concertadas de promoção e implementação dos seus planos nacionais de saúde e, também, referentes aos compromissos com a plena concretização da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. “A nova rede, em articulação com a RETS-CPLP e a RINSP- CPLP, pode estruturar ações que concretizem as diretrizes, objetivos e metas do PECS”, destacou  Ingrid D’avilla, coordenadora de Cooperação Internacional da Escola Politécnica.

Para Ingrid, a fundação da RENSP sinaliza ainda a consolidação da cooperação Sul-Sul como um dos eixos de atuação da Fiocruz, conforme reafirmado em seu último congresso interno. “Apesar de todas as redes terem convergências em relação à força de trabalho em saúde, destaco também as especificidades de cada uma delas. Ou seja: a garantia de sistemas de saúde universais em cada um dos países da CPLP depende do fomento à formação de técnicos em saúde, mas também de bons gestores e acadêmicos da área de saúde pública. Neste sentido, esperamos sinergias e projetos de cooperação estruturante entre as diversas redes”, ressaltou.

No Plano de Trabalho da nova rede ficaram definidos três objetivos prioritários: desenvolvimento e implementação de um programa de formação pautado pelas competências básicas da Saúde Pública para professores das instituições formadoras da CPLP; coordenação, estímulo e potencialização de ações formativas no âmbito das relações bi ou multilaterais entre os países, visando a ampliação das ofertas formativas em Saúde Pública no âmbito da CPLP; e elaboração, implementação e consolidação de estratégias de gestão e de comunicação para a Rede.
No encontro, os diretores da Ensp/Fiocruz e da Ensp/Nova assinaram ainda um Plano de Trabalho bilateral, com o objetivo de fomentar e fortalecer as ações de cooperação acadêmica entre as duas Escolas.

Comentar