Realizada pela EPSJV, Feira Agroecológica tem edição especial

Feira busca trazer o debate da transição agroecológica e da soberania alimentar com a comercialização de alimentos orgânicos
Julia Neves - EPSJV/Fiocruz | 06/12/2017 10h08 - Atualizado em 11/12/2017 08h57

A ‘Feira Agroecológica Josué de Castro - Sabores e Saberes’, realizada quinzenalmente no campus Fiocruz como parte de um projeto institucional, terá uma edição especial no Festival Leopoldina Orgânica, que acontece nos dias 9 e 10 de dezembro, na região da Leopoldina, no Rio de Janeiro, e vai reunir cultura local, atividades infantis e temas ligados ao meio ambiente, agroflorestas, sustentabilidade, gestão de resíduos e revitalização local por meio de jardinagem e hortas coletivas.

A participação da feira Josué de Castro, realizada pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) em parceria com a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), será no dia 9 de dezembro com a comercialização de alimentos orgânicos, isto é, produzidos sem o uso de agrotóxicos, adubos químicos ou mudanças genéticas, para evitar danos à saúde de quem os consome e à natureza. “O objetivo é trazer o debate da transição agroecológica e da soberania alimentar, na perspectiva da superação do atual modelo de desenvolvimento agrícola”, diz o professor-pesquisador da EPSJV, Alexandre Pessoa, um dos organizadores da feira.

Segundo ele, a feira é um espaço educativo de troca de experiências, conhecimentos e interação entre projetos relacionados à agroecologia e alimentação saudável, sempre na interseção com o campo da saúde. “Uma questão importante da feira é a popularização da alimentação saudável, porque ela traz a reflexão de que alimentação saudável é um direito das classes populares, que já trazem dentro da sua cultura uma maior proximidade com a questão das hortas, do plantio“, destaca Alexandre, que fará um debate sobre manejo domiciliar diário durante o evento. A Escola Politécnica também irá promover oficinas sobre manejo agrícola, de resíduos e de água, no dia 10 de dezembro.

De acordo com Alexandre, o território de Manguinhos possui a maior horta urbana da América Latina, que foi construída pela Prefeitura do Rio de Janeiro. “Iniciativas como o festival e a feira podem contribuir para o fomento dessas hortas urbanas que são importantes, mas que precisam ser avaliadas nos seus critérios de sustentabilidade, de geração de renda e de alimentação saudável”.

O Festival

Fruto de um movimento que tem suas raízes na década de 1990, a partir das sementes de Luiz Poeta, fundador do projeto Verdejar Socioambiental, o ‘Festival Leopoldina Orgânica’ surgiu em 2013, na cidade do Rio de Janeiro, e acontece nas praças e ruas da Zona da Leopoldina, território que abriga os bairros Manguinhos, Bonsucesso, Ramos, Complexo do Alemão, Olaria, Penha, Brás de Pina, Cordovil, Parada de Lucas, Vigário Geral.

A fim de potencializar as ações que ocorrem no território, todas as atividades da programação serão realizadas pelos próprios moradores, sob a curadoria de coletivos e militantes que atuam na região e do coletivo ‘Leopoldina Orgânica’. O objetivo é promover o ‘subúrbio sustentável’ e evidenciar a efervescência cultural que nasce nas periferias cariocas por meio da dança, música, artes variadas, teatro, gastronomia saudável e natural.

“O festival traz de volta essa identidade leopoldinense, que é uma região com uma diversidade cultural incrível, que foi se perdendo ao longo dos anos. A coerência do festival é muito importante, porque ele não é somente sobre sustentabilidade. É um evento que vai praticar a sustentabilidade. Nossas praças adotarão o conceito do Lixo Zero que convoca o público a se corresponsabilizar pelos resíduos produzidos indo ao encontro das Estações de Resíduos, um novo método para a organização de eventos”, afirma Teo Cordeiro, fundador do Leopoldina Orgânica.

Mais informações.

Feira Josué de Castro

No próximo dia 7 de dezembro, acontece a última edição de 2017 da Feira Josué de Castro, na Fiocruz.

Comentar