As diversas faces do movimento agroecológico em evidência no 4º ENA

Seminários, oficinas, exposições e visitas a experiências agroecológicas da região metropolitana de Belo Horizonte foram algumas das atividades desenvolvidas ao longo do 4º ENA
André Antunes - EPSJV/Fiocruz | 06/06/2018 11h10 - Atualizado em 07/06/2018 12h18
Foto: André Antunes

Os documentos produzidos pelo 4º ENA sintetizam o que foram quatro dias de muitas atividades e debates. Além das plenárias, o encontro também pautou 32 experiências territoriais em agroecologia divididas entre seis biomas brasileiros: Pampa, Caatinga, Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica e Pantanal. Também houve espaços dedicados ao litoral e às regiões metropolitanas. O objetivo denunciar os impactos causados pelas grandes obras e pelo agronegócio e anunciar as lutas e conquistas dos povos que praticam a agroecologia no país. Os espaços também serviram para uma reflexão sobre o papel das redes e articulações para o avanço da agroecologia nos territórios.

Também foram realizados 14 seminários temáticos, sobre os mais variados temas associados à agroecologia ou com um recorte específico para o que ela se propõe: soberania alimentar, educação do campo, agrotóxicos e transgênicos, mudanças climáticas, feminismo, direito à terra, medicina tradicional e água, entre outros, foram algumas dos temas dos seminários. Outros cinco seminários nacionais foram promovidos, abordando desde temas como os mecanismos de denúncia de violações de direitos dos agricultores, povos indígenas e comunidades tradicionais até os desafios para a construção de políticas públicas estaduais e municipais de apoio à agroecologia. Além disso, mais de 50 oficinas e atividades autogestionadas, organizadas pelas diversas organizações e movimentos que participaram do encontro.

Por fim, os participantes do encontro também tiveram a oportunidade de conhecer de perto algumas das experiências de agricultura urbana e da agroecologia de Belo Horizonte e região metropolitana. No sábado (2/06), foram realizadas visitas a 16 experiências por meio das quais foi possível obter um panorama da produção agroecológica na região.

A reportagem do Portal EPSJV visitou quatro dessas experiências. A primeira foi o Ervanário São Francisco de Assis, em Sabará, onde Aparecida Arruda, a Tantinha, desenvolve desde 1994 um trabalho de disseminação dos conhecimentos tradicionais das raizeiras, divulgando práticas como o cultivo de hortas urbanas, aproveitamento integral de alimentos, manipulação de plantas medicinais e de conscientização sobre a apropriação social da natureza.André Antunes

Em seguida, a reportagem visitou a horta do José Adão Chaves e da Ana Maria Pereira. Ali dois temas que em princípio parecem isolados convergem: a luta pela moradia e a luta pela soberania alimentar e por uma alimentação saudável. Eles são moradores da Ocupação Vitória, surgida em 2013 e parte da comunidade Izidoro, área do maior conflito fundiário urbano do Brasil. Desde 2014 grupos como a Articulação Metropolitana de Agricultura Urbana, entre outros, buscam fortalecer iniciativas de produção agroecológica na região. A horta do Adão e da Ana é um exemplo. Ali eles produzem hortaliças, frutas e legumes sem utilizar nenhum veneno ou fertilizantes químicos, que além de alimentar moradores da comunidade são comercializados nas feiras orgânicas da região metropolitana de Belo Horizonte, gerando renda e subsistência para os dois. Eles ainda atuam difundindo as técnicas de agricultura urbana e da agroecologia junto aos moradores da região.André Antunes

A terceira experiência visitada pela reportagem da EPSJV foi a Horta Cantinho do Céu, mantida há 28 anos pelo agricultor urbano Geraldo Piedade no conjunto habitacional Paulo VI, região nordeste de Belo Horizonte. Ali são produzidas 75 variedades diferentes de produtos, entre hortaliças, frutas e legumes, que são comercializadas na comunidade local.André Antunes

Por fim, a reportagem conheceu também o trabalho do coletivo Roots Ativa. O grupo desenvolve há dez anos atividades de agricultura urbana e preservação ambiental na Vila Nossa Senhora de Fátima, no alto do Aglomerado da Serra, maior favela de Minas Gerais. Além de difundir a cultura rastafári, os integrantes do coletivo, junto com jovens moradores da comunidade, trabalham com a gestão comunitária de resíduos, utilizando os restos de alimentos descartados pelas famílias da área para fazer compostagem e minhocários. Ali eles também mantêm um viveiro de mudas e uma horta, além de desenvolver práticas da permacultura e da agrofloresta. Os alimentos produzidos ali são utilizados para a confecção de produtos como hambúrgueres veganos, entre outros, que são comercializados em feiras e sob encomenda.André Antunes

Leia mais

Nesta entrevista, realizada durante o 4º Encontro Nacional de Agroecologia, a antropóloga Maria Emilia Pacheco, da secretaria executiva da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA) e do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional , fala sobre a importância do encontro para a construção da resistência aos retrocessos que têm ameaçado a agricultura familiar e as políticas públicas de apoio à agroecologia. Ela também discute o papel da agroecologia para a garantia do direito à alimentação previsto na Constituição, que completa 30 anos em 2018.
Irene Cardoso é professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e foi, até o ano passado, presidente da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA), o braço acadêmico do movimento agroecológico. Nesta entrevista, realizada durante o 4º Encontro Nacional de Agroecologia (ENA), ela fala sobre a importância de trazer a agroecologia para o centro do debate público no ano em que se completam três décadas da Constituição de 1988, um momento de esvaziamento das políticas públicas que permitiram à agricultura camponesa e à agroecologia obterem avanços importantes nos últimos 15 anos. Irene revela como esse desmonte tem afetado a agroecologia em âmbito acadêmico e denuncia as contradições do modelo de produção agrícola baseado no uso intensivo de combustíveis fósseis que, segundo ela, ficaram evidentes em meio à crise no abastecimento ocasionado pela greve dos caminhoneiros.
Aprofundar relação com o movimento agroecológico foi um dos objetivos da Fundação durante o encontro. Relançamento do Agroecologia em Rede e entrega de dossiê a favor da Política Nacional de Redução de Agrotóxicos a parlamentares foram outros destaques da participação da Fiocruz
Seminários, oficinas, exposições e visitas a experiências agroecológicas da região metropolitana de Belo Horizonte foram algumas das atividades desenvolvidas ao longo do 4º ENA
Em meio à greve dos caminhoneiros, participantes do 4º ENA alertam para as contradições do sistema de produção e distribuição de alimentos, denunciam a expropriação dos territórios e a violência promovida pelo agronegócio e discutem estratégias para fazer avançar a agroecologia em um contexto de retrocessos
Grilagem de terras, aumento do desmatamento, envenenamento das águas e impactos na saúde pelo uso intensivo dos agrotóxicos foram alguns dos impactos relatados pelas comunidades na esteira da implantação do Matopiba
Entregue durante o 4º ENA, documento traz argumentos científicos que justificam a aprovação da PNARA, além de reafirmar a agroecologia como alternativa ao modelo do agronegócio. Dossiê será analisado por comissão especial que vai avaliar projeto de lei que institui a Política na Câmara dos Deputados

Comentar